A Tocha

A Tocha

A Tocha A notícia foi o furo
Jornalístico do ano:
O Brasil foi escolhido!
E nisso não há engano!
E assim foi o tição
Passando de mão em mão
Deixando o povo ufano,

Aos trancos e barrancos
Nem tudo ficou perfeito,
Ao que não saiu a tempo
Prometeram dar um jeito,
Com tudo a toque de caixa
Diziam: calma, relaxa!
O evento vai ser feito!

Gente de todas as áreas
Querendo, pedindo a tocha
Sentia-se até tonta
No meio daquele arrocha,
O condutor aturdido,
Visivelmente perdido
Segurava firme a broxa,

O símbolo seguia em mãos
Entre becos e vielas
Deixando em quem conduzia
Algumas marcas, sequelas,
Que esse fogo não teime
E com o seu furor queime
O que resta nas panelas,

  Arrastando a multidão
A chama ia acesa,
E nesse embalo ninguém
Notificava a despesa,
Mas a comissão de frente
Pedia naturalmente:
A tocha também na mesa,

Para os jogos mundiais
Derrubaram os barracos,
A ordem era tirar
Quinquilharias e cacos,
Para os deuses do Olimpo
Tinha que estar tudo limpo,
O lixo dentro dos sacos,

Mulata, escola de samba
Malabarismo e fanfarra,
Até gringos ensaiavam
E muitos até com garra,
E pra receber a chama
O país forrando a cama
Do lençol dobrava a barra,

Por terra, as delegações
Não paravam de chegar,
Aterrissavam dos ares
Ou atracavam no mar,
Enquanto isso o Brasil
Vigoroso, varonil
Reparava a tocha entrar,

O grande acontecimento
Transformava a nação,
Não soltavam nem um fogo,
Suspenderam o arrastão,
Com jeito (certo meandro)
Deram folga ao malandro
E guardaram o camburão,

Isso são as olimpíadas
Que ganhamos num sorteio
Onde tem até atleta
Que não sei de onde veio,
E dizendo: gero emprego!
Esse presente de grego
Enfiou-se em nosso meio,

Aos problemas sociais
Num instante deram jeito,
Disseram ao terrorismo:
Você cá não é aceito!
Eu pergunto à meia voz:
Por que quando é pra nós
A lei não acha defeito?

Competidores diversos
Engajaram-se à luta,
Mesmo aqueles mais tímidos
Encararam a disputa,
Era atleta com doping
Passeando pelo shopping
Aguardando a labuta:

O salto sobre barreira,
Arremessos, pedaladas,
Corrida sem obstáculos,
Os tiros e as largadas,
Autoridades, juízes,
Dando os prêmios, felizes
Emendavam as gargalhadas,

Medalhas pra todo gosto:
De bronze, de prata e ouro,
De plástico, de madeira,
E tinha delas de couro,
A mais simples era de lata
(essa feita de sucata),
E a de chifre de touro,

Nas calçadas e sacadas
E portas vinham aos mil
Os aplausos, os acenos
Sob o céu azul anil,
Esse povo estava vendo
O mundo todo dizendo:
Viva! A tocha no Brasil!

Assim a tocha abriu
Os jogos oficiais,
E passando por aqui
Ela arrancou muitos ais
De júbilo, de alegria
Dizendo que outro dia
Iria demorar mais.

Notícias recentes

Livros transformam o mundo, livros transformam pessoas”

É o tema da 22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que acontece entre 9 e 19 de agosto no pavilhão de Exposições do Anhembi. Com uma programação...

Integrante do Centro Literário lança seu segundo livro

Mauricio de Barros que integra o Centro Literário Anita Ferreira de Maria e contribui com seus textos poéticos ao suplemento que leva...

Escritor Avareense Maurício de Barros lançou mais um livro no Teatro Municipal

Na última terça-feira, 13, o poeta Maurício de Barros lançou mais um livro. Trata-se de "Cordel", que é um tipo de poesia popular, originalmente oral...